Mão de obra da construção civil sobe e pressiona a inflação

O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M) é mais conhecido como a inflação da construção. Em agosto subiu de 0,26% para 0,37%, em setembro, segundo divulgou a Fundação Getulio Vargas (FGV).

A mão de obra ficou mais cara, passando de uma alta de 0,26% para 0,55%. Esta variação ocorreu devido à primeira parcela dos reajustes salariais de Brasília e o início da captação da segunda parcela do reajuste salarial de São Paulo, praticado em janeiro de 2016. Os equipamentos e serviços registraram variação de 0,16%.

Duas capitais apresentaram aceleração em suas taxas de variação: Brasília e São Paulo. Na contramão desses aumentos está Salvador, Belo Horizonte, Recife, Rio de Janeiro e Porto Alegre registraram desaceleração.

O Índice de Confiança da Construção (ICST) subiu 2,1 pontos em setembro, atingindo 74,6 pontos, o maior nível desde junho de 2015. Após a 3ª alta consecutiva, está evidente que há uma melhora das perspectivas dos empresários do setor, pelo menos numa medida a curto prazo, apesar dos indicadores continuarem baixos, se comparados com os níveis históricos. http://www.casteval.com.br/